TARDE OCULTA NO TEMPO

(poema de Jorge de Lima)

Andarilho sem destino reparou então

que seus sapatos tinham a poeira diferente

de todas as pátrias pitorescas;

e que seus olhos conservavam as noites e os dias

dos climas mais vários do universo;

e que suas mãos se agitaram em adeuses

a milhares de cais sem saudades e amigos;

e que todo o seu corpo tinha conhecido

as mil mulheres que Salomão deixou.

E o andarilho sem destino viu

que não conhecia a Tarde que está oculta no tempo

sem paisagens terrenas, sem turismos, sem povos,

mas com a vastidão infinita onde os horizontes

são as nuvens que fogem.

Anúncios

~ por L. em 30 maio, 2010.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: